domingo, 20 de fevereiro de 2011

Dor

E tudo começa com uma sensação. Uma sensação desconfortável que nos remete a coisa chata, remédio, mãos e pés gelados, como um pernilongo chato zumbindo em seus ouvidos e picando ardido, sem dó ou piedade.
Daí passa de sensação para a realidade. Dor. 
Dói para andar, dói para se mexer, dói ficar em pé, dói  ficar deitado, dói.
Remédio analgésico e tudo vai ficar bem. Não! Meu moral está baixo e o humor então? Pior ainda. 
Acabo de me lembrar que amanhã vou trabalhar, que tenho um monte de coisas a fazer, providências inadiáveis e... Ai! Dói.
Então, vou tomar um monte de analgésico e me meter na minha cama rezando para que, amanhã às seis horas, o despertador toque e eu coloque os pés no chão como se nada tivesse acontecido, como se tudo não tivesse passado de um pesadelo por causa do calor. 
Ah! Este bendito calor! Mas o outono está aí, quase chegando, graças aos Céus. E então tudo vai ficar muito bem. A dor vai passar, as noites frescas serão um alívio e os lençóis serão a benção que almejo há tanto tempo.
E tudo é culpa do calor... Coitadinho...