quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Comer Por Prazer

Hoje foi um dia em que só ouvi coisas sobre comer, beber, comer, engordar, emagrecer...
Fiquei pensando no quanto vivemos em função de comer no quanto o comer significa para nossas vidas.
Saí de casa hoje pensando no almoço. E olhe que comi muito bem no meu café da manhã, regado a pedaços doces e macios de mamão, pão integral aquecido no forno, com manteiga à temperatura ambiente, mel e queijo fresco de Minas. Isso, sem falar na fumegante xícara de café com leite. Além disso, cheguei no escritório e encontrei, em cima da minha mesa, uma bela travessa com lima da pérsia e maçãs cortadas em pedaços, para serem comidas com gosto e de olhos bem fechados, sentindo o gosto apenas pelo perfume que as frutas exalam.
Quando dei por mim, a manhã já andava quase no fim. Percebi que, desde a travessa de frutas, não tinha ainda desgrudado os olhos da telinha de meu pequeno computador, onde estive tentando criar algo interessante. Nossa! Precisamos fazer dinheiro! Porque será que só conseguimos pensar nessas duas coisas? Comida e dinheiro...
Acabou a manhã e voltei a pensar no almoço que, por sugestão minha, nossa cozinheira preparava um delicioso 'escondidinho' de frango desfiado bem refogadinho e temperado com molho de tomates frescos e um segredinho: uma generosa colher de cream cheese. O purê de batatas era firme e o leite foi substituído por creme de leite e uma pitada de noz moscada ralada... Sem esquecer da beleza de salada de rúcula com alface americana, gomos de tomate vermelho e pedaços de cogumelos de paris em conserva. Ótimo! Comemos à farta.
Ainda com o delicioso cheiro da boa comida pairando no ar, voltamos ao trabalho e eu diretamente para a minha telinha novamente.
Então veio o lanche da tarde. Depois de tanto comer no almoço, optamos por uma refeiçãozinha bem leve, com gelatina sem açúcar coberta por iogurte natural - também sem açúcar. Como estava muito frio, regamos nossa tarde com muito chá quentinho. Finalmente recebemos muitas respostas que estávamos esperando. Isso foi muito bom. Ficamos todas felizes e esperançosas com o futuro.
Agora já é o fim da tarde e estou pensando no jantar. Lembrei de uma sopa de mandioquinha que tomei há algum tempo que estava deliciosa. Continha pequenos pedaços tenros de mandioquinha, batatas e alho poró, temperados com dois dentes de alho bem picadinhos à faca, com uma boa colher de sopa de vinho branco seco e uma quantidade que eu poderia dizer de uma xícara de chá de queijo fresco ralado, salpicado com salsinha fresca bem picadinha. Estou de novo com fome... Será que vou engordar? Tenho uma amiga que diz que quando comemos por prazer e felizes, não engordamos... Achei o máximo o que li hoje no Face, de uma amiga que foi ao médico dizer que estava gorda e, quando ele lhe disse que somos o que comemos, respondeu feliz: como pizza, churrasco, doces e sorvetes, logo, sou gostosa... Adorei!