quarta-feira, 14 de março de 2012

Mil Verões

 

Sonhando as imagens perfeitas
Quero acordar mais que satisfeita
Ouvindo seu leve murmúrio
Em meu ouvido, quase surdo

Sentindo seu cheiro de banho
Minha pele reage... Nada estranho
Meus olhos se fecham, emocionados
Parecem mesmo pouco acostumados

A vida ao seu lado se enche de tudo
Todas as emoções, tudo de cores
Todos os dias um mar de flores

Então, nos sonhos tenho as visões
Acordada, tenho todas as razões
Ao seu lado, quente como mil verões

2 comentários:

  1. Um soneto shakespeariano? Uau! É algo que nunca tive muito sucesso, as formas rígidas na constrição oposta ao poema. Parabéns!!!

    O 'muso' inspirador ficou feliz com a homenagem?

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Se quanto a forma lembrastes Shakespeare, quanto ao tema, lembrei-me da adorável Adélia Prado. Em especial um poema doce, mostrando uma mulher e um homem vivendo em parceria.

    "
    Há mulheres que dizem:

    Meu marido, se quiser pescar, pesque,

    mas que limpe os peixes.

    Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,

    ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.

    É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,

    de vez em quando os cotovelos se esbarram,

    ele fala coisas como "este foi difícil"

    "prateou no ar dando rabanadas"

    e faz o gesto com a mão.

    O silêncio de quando nos vimos a primeira vez

    atravessa a cozinha como um rio profundo.

    Por fim, os peixes na travessa,

    vamos dormir.

    Coisas prateadas espocam:

    somos noivo e noiva."

    ResponderExcluir

Comente. Vou adorar ler.