terça-feira, 26 de junho de 2012

O Sutiã e a Calcinha





Estava pensando na minha ida vida. Na vida que me era tão querida e que um dia me fez tão carente.
Um desejo em mim corria célere qual travessa menina. Desejo de felicidade e prosperidade que, ainda que muito quisesse, não tinha.
Ah maldade! Da vida que me era tão querida, tiraram-me a vontade. Vontade de ser mais feminina, mais bonita, mais desejável.
Via as outras, minhas amigas, tão mais lindas, tão mais agradáveis... Ciúmes eu sentia. Dos garotos que as seguiam, do tanto que as admiravam.
E eu era apenas pequenina. Não tinha ainda a idade das formosuras. Não tinha ainda tamanho que inspirasse as garbosas mesuras.
Em saltos altos me punha e vestidos longos e largos de minha mãe, eu usava para tentar com embaraço encobrir os meus feios traços.
Minha mãe, sorrindo indulgente, no colo me erguia, e me abraçava contente. Filha minha você é linda mas ainda não é gente, dizia sem entrelinhas.
Curvas eu queria, grandes seios adoraria. Usaria sem cerimônia um sutiã de rendas e calcinhas pretas. Tingiria meus lábios de vermelho e esticaria sem pena meus cílios com um aparelho.
Via minha mãe todos os dias em frente ao espelho a se enfeitar com capricho. Meu pai vinha em seguida e sussurrava um cochicho.
Um largo sorriso surgia em sua boca. Um comentário furtivo, sempre de improviso... Namorados... Então eu ria.
Sabia que um dia eu cresceria. E aí os garotos me seguiriam e eu os esnobaria. Seria um truque, eu já sabia. Mas feliz eu sei que seria.
Do rosto infantil e carente viriam os sorrisos e os mistérios e eu criaria meu próprio império.
Um dia, em frente ao espelho eu mesma estaria, a fazer-me bonita e mais feminina. E tudo o que eu faria seria com muita, muita alegria.
Alegria da menina que fora um dia, a desejar rendas num sutiã e numa calcinha.
Mas o que eu não sabia, viria a aprender um certo dia...
Mais do que saltos altos e vestidos com poucos panos, um namorado eu teria. Então, tudo o que importaria seria, para ele, tirar o sutiã e a calcinha.

Texto de minha autoria, extraído do livro "Cronicidades" (Editora Incult Produções Culturais)