quarta-feira, 25 de julho de 2012

E você, por que desvia o olhar?


Olhava tua foto como se dela o meu desejo saísse como se sai de um carro. Imaginava as mil formas de te receber, de te amar, de te querer. Sonhava com momentos suaves, com sorrisos marotos e olhares indecentes. Queria prá sempre o teu calor em meu corpo, tuas mãos ansiosas deslizando sobre minhas costas, teu cheiro bom quando te sentas ao meu lado...
Sim, olhava tua foto e contava resignada, na folhinha, os dias que faltavam para rever-te. 
Olhava na tua foto o teu olhar e ele não olhava para mim. Olhava para longe, para muito além do meu alcance. E mesmo assim, te sentia perto de mim, perto o bastante para tocar-te a fronte. Mas, que trapaça, era apenas uma imagem impressa de tintas, frias...
Lembro-me da tua voz soprando em meus ouvidos juras de um amor sem fim. Ainda posso sentir teu hálito com o cheiro doce das balas que você gosta de chupar. 
Então, volto os olhos para o teu retrato. E você continua olhando para longe. 
Olha para mim! Sinta-me como eu te sinto... E depois de muito olhar a tua foto, só preciso que me respondas: por que desvias o olhar?