domingo, 15 de julho de 2012

Pão Bolorento

Ela corria célere, contente e assustada ao mesmo tempo, às vezes dando pulinhos, como a livrar-se de alguns obstáculos invisíveis aos meus olhos. Carregava em suas pequenas mãos um pedaço de pão bolorento que serviria de refeição para toda sua família.
Eu observava a cena com paciência, antevendo os resultados. Um leve remorso começou a bater em minha mente ética e em meu coração mole, que logo foi rechaçada com um abanar de mãos e uma certeza: estava livre daquela rata chata.
Havia descoberto o animalzinho alguns dias antes, quando resolvi fazer uma faxina na área de serviço. Dei um grito e um pulo para trás e a ratinha fugiu apavorada. Comprei o remédio que o balconista do pet shop me indicou, como sendo o melhor e mais eficaz. Depois fiquei pensando no fato de ser um remédio para matar ratos. Remédio? Mas isso não é para curar?
Após seguir as instruções do fabricante, depositei parte do "remédio" no interior de uma bolinha de pão e  o deixei num lugar estratégico. Espreitando discretamente, tive que esperar alguns dias, mas fui recompensada e vi quando ela - a rata - chegou, cheirou o "presente", rodeou-o desconfiada, olhou para os lados e finalmente decidiu levar aquela refeição inesperada para casa.
Santo pão bolorento....