domingo, 16 de setembro de 2012

Saltimbanco

Olho esta folha em branco
Como está meu pensamento, franco
Neste dia de memórias, vejo um saltimbanco
A arrancar-me ideias num solavanco

Ah! Este amor de tantas horas
Que em meu coração cheio mora
Despeja tanta alegria que meu rosto cora
Sonhos da menina que ainda sou, como outrora

Meu corpo queima ardente
Faz meus pensamentos indecentes
Aflorar num instante, de repente

Um movimento sem vergonha
Um roçar de corpos arrepiados
Um olhar maroto de soslaio