sábado, 6 de outubro de 2012

Cordel do Ai!

Vou já contar prá vocês
Uma visita que recebi
Não era nada desejada
Não a queria por aqui
Trouxe tantos incômodos
Mas ficou mesmo assim

Embrenhou-se no meu dia
Os meus pensamentos tomou
Queria que se fosse
Mas minha vontade calou
Agora fico meio assim
Sem saber como estou

Nome complicado tinha
Pura e simples agonia
Difícil até de falar
Algo como fibromialgia
Prá mim que nunca adoeci
Parece bem uma ironia

Pedi ajuda para o doutor
Ele deu-me uns remédios
Mas a dor não passou
Então, quanto tédio
Pus-me a pensar na dor
Vá embora, por obséquio!

4 comentários:

  1. Querida amiga Suzana,
    sua fibromialgia,
    se atenua e se aplana,
    seu calmante é poesia. :)

    Adorei a forma satírica, como brinca com o que muito certamente, lhe provoca incómodos. Repito, adorei.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brincar com o que nos incomoda é a melhor forma de superar esses obstaculozinhos...
      Obrigada querido amigo.

      Excluir
  2. Que o poema seja paregórico, sempre!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita amigo. Volte sempre... mesmo os meus poemas sendo paregóricos.
      Bjuss

      Excluir

Comente. Vou adorar ler.