quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Ano Novo

Enfim o Ano Novo chegou. Será?
Logo após as doze badaladas que marcaram o final de dois mil e doze, e enquanto nos empanturrávamos das delícias gastronômicas tão típicas da época, pensei nas coisas engraçadas que nos prometemos, como emagrecermos, voltar à academia de ginástica, terminar um projeto antigo, entre outras coisas. Ri de mim mesma, sabendo que, apesar dos desejos, raramente conseguimos fazer tudo o que nos prometemos. E nem sei o que nos impede...
Será que este novo ano será mesmo um novo? Sei não...
Seria um ano novo se nós renascêssemos no dia primeiro de Janeiro. Mas, se renascêssemos mesmo, teríamos que abdicar de tudo o que nos fez o que somos. Teríamos que abandonar ideias, pensamentos, profissão, amigos, parentes... Claro, porque a cada Réveillon, abriríamos mão de tudo para fazermos uma nova história, com novos personagens, novos anseios e desejos...
Mas isso não é possível mesmo!
São estórias pessoais passadas e presentes, coisas que não queremos simplesmente jogar fora, já que fazem parte de nós. Outras estórias virão para complementar as que já foram. Outros personagens virão para nos testarem ou tentarem... Afinal, temo que todo o passado existe para completar as lacunas que virão. Anos Novos servem para renovarmos nossos desejos e anseios. São a oportunidade de recomeçarmos e não de renascermos. Um recomeço é sempre uma nova chance de finalizarmos ações incompletas com mais ânimo.
Enfim, para este ano, só quis me prometer uma coisa: celebrar minha vida a cada dia, e escrever muito.
Feliz Ano Novo!!