domingo, 24 de fevereiro de 2013

A CARTA



Receber cartas hoje em dia é uma coisa quase irreal. Então, quando recebi A Carta, nem me lembrava como fazer. Olhei o envelope colorido, de conteúdo fininho, apalpei-o, cheirei-o e estranhei... Havia três pares de olhos me olhando com curiosidade, ansiosos mesmo. Meu coração começou a bater acelerado e minhas mãos suaram. Finalmente decidi abrir o envelope que nem estava lacrado. Enquanto o fazia devagar, minha respiração estava quase em suspenso. Os outros três rostos estavam meio congelados, esperando a minha reação. Comecei a ler a primeira frase e não consegui chegar até o final dela. Meus olhos encheram-me das lágrimas que ainda cairiam aos borbotões por vários dias. Lágrimas de emoção, de felicidade e de alegria. Tentei enxugar meus olhos várias vezes sem resultado. Então deixei que caíssem enquanto tentava ler o resto da carta de minha vida...

"Queridos vovós

Sabemos que ainda não nos conhecem, mas podemos garantir que vamos nos amar muito. Ainda não sabemos se vamos ser meninos, meninas, ou menino e menina, mas descobriremos em um ou dois meses.
No aniversário da vovó já estaremos todos juntos: papai, mamãe, vocês e nós.
Não se preocupem porque apesar do susto mamãe e papai já têm os planos perfeitos para nossa chegada.
Então vovô e vovó, nos veremos em Setembro.

Com muito amor,

Os seus netos"

Minha vida certamente nunca mais será a mesma. É como se Deus estivesse me dando mais uma oportunidade de ser feliz. Abraçando com amor essas duas criaturinhas - ainda dois pequenos feijõezinhos - sinto que tudo pelo qual passei, em todos os anos de minha vida, fosse para me preparar para o dia em que seria avó. E avó em dose dupla, de cara.
Agora me aguentem... Vai ser muito deste amor incondicional que vou falar por muito tempo.
Sejam bem vindos meus queridos, continuação de minha vida...