segunda-feira, 18 de março de 2013

Alpes


Que se juntem as partes sem partes
No sublime caminho que só a Luz paira
Fazendo da vida uma linda arte
Gritando o grito que ecoa, eu te honro

Se nos Alpes sobes sem descanso
O vento de lá refrigera minha alma, um remanso
Num mundo sem prumo cujo ar me amansa
Enquanto minha alma feliz dança

Vem alma minha, gêmea de mim
Acaricia as nuvens e seca minhas lágrimas
São de saudades, de um tempo que não passa
Faz-me ouvir de novo suas vozes, seu amor

O céu está longe e tão perto
Paraíso lindo, sublime e inóspito
Onde estás Paraíso? Vem, busca-me!
Trás de volta meu doce amor, meu infinito

Bebe do meu cálice, sem sacrifício
Faz dos Alpes tua melhor morada
Lembras-te sempre que lá estarei
Em corpo e alma... Sempre tua