quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Nunca, Sempre, Suspiro....



Ouvia o som de tantas músicas
Como se já não as houvesse ouvido
Sempre...
Sentia suas letras como se eu mesma
As houvesse escrito
Nunca...
Chorava lágrimas de saudades
E ria dos pensamentos tristes
Suspiro...

O calor me queimava a pele
Como se não o houvesse sentido
Nunca...
O frio despertava a dor
Como o sol desabrocha a flor
Suspiro...
Faltava ver seus olhos
E neles me afundar de amor
Sempre...

O vento entrava pelas frestas
Como entre as árvores, numa floresta
Suspiro...
Meu corpo se retesa, frio
Como se não houvesse nenhum calor
Nunca...
Então seu amor me alcança
Num clarão de intensa esperança
Sempre...

Oh! Vida, me mostre toda a alegria
Da tristeza, me esconde
Sempre...
Faça-me a grande gentileza
De deixar-me sempre contente
Suspiro...
E nunca, nunca tirar-me meu amor
E encher-me o coração de dor.
Nunca...