segunda-feira, 2 de setembro de 2013

1o. Conto Quente



Um dia ela olhou para cima. Havia nuvens e, por trás delas, um céu incrivelmente azul. Os cheiros e barulhos da manhã se misturavam e criavam um caleidoscópio de sensações. Seus pensamentos voaram e ela sentiu um calor intenso que lhe subia pelas pernas e chegava ao rosto, colorindo-o de tons de rosa e vermelho. De onde viriam estes pensamentos? Seria da lembrança daquele encontro? Aquele que nunca aconteceu? Olhou para frente agora. Precisava seguir o caminho. Saudades. Saudades? De que? De quem? Seus pensamentos continuavam esquentando-lhe a pele e a alma. Disfarçou um sorriso no canto dos lábios e secou um teimoso suor que começava a escorrer por entre seus seios. Sua boca estava seca. Olhou em redor e viu um pequeno e simpático café. Dirigiu-se para lá e pediu uma garrafinha de água gelada. Mal abriu a tampa da pequena garrafa e sentiu um ligeiro ar quente em sua nuca. Virou-se rapidamente e o viu. Ele estava lá parado, tal como uma aparição mágica. Suas pernas bambearam à sua visão, mas procurou disfarçar. Ensaiou seu melhor e mais sedutor sorriso, mas o que saiu foi um ligeiro tremor em seus lábios. Sua respiração tornou-se pesada e ela não sabia o que fazer. O homem chegou perto e pediu-lhe que bebesse a água. Rapidamente ela o obedeceu, sem contudo deixar de olhar aqueles incríveis e fundos olhos negros. Era o desconhecido de seus sonhos. Ele então passou o dorso da mão de leve em seu rosto, despertando-lhe os mais profundos desejos. O clima de repente tornou-se quente demais para ficarem ali olhando-se. Gentil, o homem pagou a garrafinha de água, tomou sua mão trêmula e levemente suada e saíram em direção à rua movimentada. Ela já não conseguia mais discernir o caminho e se deixou conduzir pelo homem que murmurava em seu ouvido palavras quentes, mas carinhosas. Enquanto estavam juntos não importava que nome tinham, de onde vinham ou para onde iam. Seguiram os dois, mãos dadas e corpos unidos, ao encontro que jamais esqueceriam.