domingo, 18 de maio de 2014

Estava sonhando...

E abri os olhos de repente. Senti frio e vi que estava sem cobertas. Olhei para a janela e senti o sono da noite que ainda ressonava seus chuchurreados. No escuro do meu quarto procurava pelos poucos focos de uma luz conhecida e não encontrei. Estava sonhando com você. Que pena que acordei. Porque sempre acordo quando o melhor do sonho poderia acontecer?
Fiquei muito tempo lembrando do sonho e construindo alguns finais para ele. Na minha imaginação cabiam várias histórias e todas elas me remetiam a felicidade. É bom sonhar.
Cansada, virei para o lado, na minha cama fria, e tentei dormir de novo. Os sons da noite, aos poucos se transformavam em murmúrios de despertar. Abri os olhos e voltei-me para as frestas da janela. Já podia sentir que o sol estava abrindo os olhos e aproveitei para despertar daquele torpor definitivamente. Estiquei meus braços e pernas e a força que fiz me fez produzir um som engraçado que me fez sorrir. Levantei-me e abri a janela, para assistir o nascimento de mais um domingo... Lembrei-me de novo do meu sonho e acabei escolhendo, entre tantos, um final para ele. Sorri de novo com a minha decisão e senti o calor amornado que o meu pijama de flanela me proporcionou. Decidi que passaria algumas horas vestida nele, até que o calor do sol pudesse me aquecer sozinho.
Queria que você estivesse ao meu lado para me abraçar como no meu sonho...

Imagem do fotógrafo Diogo Ramos