sábado, 10 de maio de 2014

Oi Mãe!

Estou aqui sentada olhando pela janela o céu azul pálido, num dia meio frio. Não dá para esquecer que amanhã é domingo e é o Dia das Mães, porque só o que aparece na televisão e nos cartazes das ruas são as propagandas de produtos para comprarmos de presente para elas, para vocês, para nós... Mães.
Mãe, eu não comprei nada para você - ainda. Amanhã não estarei com você. Estarei com os meus filhos no café da manhã. Acredita nisso? Os dois vão acordar mais cedo para virem passar algumas horas comigo. As mesmas horas que também gostaria de passar com você, mãe.
Sabe, estava me lembrando de algumas coisas que você às vezes me dizia quando eu ainda nem pensava em ser mãe e acabei rindo sozinha: "quando você tiver seus filhos vai entender o que é ser mãe!"
É verdade... Só entendi o que era ser mãe e todas as implicações disso quando senti as primeiras dores de parto e vi, logo depois, as carinhas redondas e ainda lambuzadas dos líquidos do meu útero. Entendi melhor quando passei noites acordada ao lado deles, segurando suas mãozinhas porque tinham tido pesadelos ou porque estavam doentinhos e me lembro das vezes que corri para sua cama, nas noites claras de Botafogo, com medo do "velho na poltrona" ou por causa dos temporais que açoitavam a janela e que hoje me fazem tremer de alegria. Senti a mesma emoção que você deve ter sentido quando levei meus filhos no primeiro dia de aula e vendo-os me darem "tchauzinhos" com o semblante corajoso e confiante, porque já eram "homenzinhos". Mas, o que me fez ter mesmo o entendimento do que é ser mãe, foi quando os vi arrumarem sua bagagem para irem viver suas vidas com os amores deles. Acho que senti o mesmo vazio feliz que você deve ter sentido. E o melhor de tudo, aquilo que me fez ter a real noção do que é ser de verdade mãe, foi ver as carinhas redondas das minhas netinhas. Aquele amor em duplicata que sei que você sentiu quando viu os seus netos. E mãe, sinto tanta falta de seus conselhos e de sua ajuda, dos mimos que você nunca se cansou de dar para os meus filhos, do colinho quente e amoroso que sempre teve de sobra... Sinto saudades da Oma...
Mãe, estarei em breve por aí. Queria comer sonhos, mas pode deixar que quando eu chegar ajudo você a fazê-los... Pode ser recheio de doce de leite?
Te amo muito viu? Feliz Dia das Mães!!