domingo, 14 de setembro de 2014

Um doce, por favor?


O gosto, sei disso, era bom...
Bem doce, com cheiro de vida
E aquela sensação sem medida
Que estala e dá o tom

A língua dormente sente saudade
O coração contente bate forte
Talvez supondo a própria sorte
Sem nenhum tipo de vaidade

O gosto, sei disso, era bom...
Bem doce... Cor de chocolate
Parece mesmo um disparate
A vontade do que parece um dom

Os olhos se apertam, à espreita
Buscam no escuro a forma fresca
Ou uma saída à francesa
Para não devorar inteira a receita

Ah! Chocolate, quindim ou suspiro
Quero isso mais do que água
Mais do que não quero nenhuma mágoa
Por um só pedaço, desta vida, expiro