sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Há um mês...

Há um mês eu o vi pela última vez... Estava dormindo tranquilo e bonito. Seus cabelos penteados e assentados como há tempos não era. Apenas uma coisa causava um estranhamento... Seu bigode havia sumido. Não que fizesse assim tanta diferença, mas não me lembro de alguma vez na vida tê-lo visto sem o seu indefectível bigode...
Há um mês...
Há um mês eu o vi vestido num terno e usando gravata, elegante... Lindo como na minha memória, quando o esperava sentada à porta, ansiosa por sua chegada do trabalho, apenas para me enroscar em seu pescoço enquanto assistia ao jornal da TV.
Há um mês eu soube que este amor que sentia - e sinto - nunca vai passar, nunca vai diminuir...
Enquanto o via dormindo, fui me lembrando de tanta vida que passamos juntos, dos passeios no enorme Peugeot com teto solar na Avenida Atlântica, para ver os aviões decolando e pousando no Santos Dumont, ou dos banhos de mar numa Copacabana que já não existe mais. Ainda ouço sua voz me ensinando a catar mexilhões na Pedra do Arpoador e explicando porque não podíamos comê-los sem cozinhá-los. E não posso esquecer dos jogos de futebol no Maracanã. E quando me levou ao altar? Ainda lembro do gole de Whisky que me deu para tomar antes de sairmos de casa e do olhar preocupado para o meu vestido branco, porque chovia baldes naquele dia. Lembrei-me que apertei seu braço e que afagou minha mão... E sua mão tremia... Lembrei... Enquanto o via dormir...
Há um mês...
Ah paizinho... Sinto tanta falta sua... Passei o dia do meu aniversário inteiro esperando sua ligação, sempre tão carinhosa, que nunca mais vou receber... E, neste dia, fiquei lembrando da última vez que o vi dormindo... lindo... Mas não estava na sua cama...
Vou sentir saudades prá sempre... Me ensina paizinho a não sentir mais dor...