terça-feira, 16 de agosto de 2016

O doce cheiro no ar



Havia um cheiro doce no ar
Não tão doce a ponto de perfumar
Nem tão bom como teu jeito de amar
Ou tão marcante como queria lembrar

Mas havia o tal cheiro doce
E eu a procurar onde quer que fosse
Remetia-me a um passado de posse
E eu, no espelho, fazendo pose

Minha mente ansiava pelo doce odor
Mãos trêmulas te apertavam com amor
Ainda não é hora, disse-me com dor
Esperarei olhando-te sem pudor

Acaricio-te sem jeito, com cuidado
Feliz porque o tempo era passado
Eu aqui, tua terra teria adoçado
Se tu flor, desabrochasse mais rápido